segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Biografia da Banda Eva


Bom dia Galera!!

Semana começando, e escutando um pouco de axé retrô aqui me veio a mente uma súbita pesquisa pela História da Banda Eva. Essa Banda que teve como vocais principais Jota Morbeck (em memorian), Ricardo Chaves, Ivete Sangalo e Saulo Fernandes, dentre muito outros, possuem uma biografia vasta, como vcs podem ver a seguir.

É isso, tenham todos uma boa semana e muito axé para todos nós!!

Abaixo a letra da música, como se diz em natal, "das antiga", Eu vou no Eva:


Eu Vou No Eva - Banda Eva
  
Foi difícil te encontrar, morena 
Nas ruas de salvador, fissura 
Me cansei de procurar, que pena 
Onde está o meu amor 

Vejo um brilho diferente pintando na avenida 
Vem trazendo um colorido de festa na bahia 
Envolvendo toda gente bonita alegria 
Foi aí que eu vi você 
Nunca mais vou te deixar 

Eu vou, eu vou, eu vou no eva 
Eu também vou, eu vou no eva


Salve Salve sempre a música Baiana.

Rio de Janeiro, 15 de Agosto de 2016
Hélio Santa Rosa Costa Silva

terça-feira, 10 de dezembro de 2013


Biografia da Banda Eva



BANDA E BLOCO EVA 

    Nascidos para brilhar

Biografia

1977—80: Grêmio e fundação do Bloco Eva
No final da década de 1970, um grupo de onze amigos do Colégio Marista de Salvador, na Bahia, criou um grêmio que visava se reunir fora dos domínios escolares para se divertir tocando e cantando, formado por Ademarzinho, André Silveira, Jorginho Sampaio, Ricardo Martins, Jonga Cunha, Maurício Magalhães, Hunfrey Ataíde, Guto Almendra, Eduardo Gil, Pernambuco e Cyro Coelho. O grupo, que se reunia frequentemente no sítio de Adermazinho, batizou o grêmio de EVA, abreviação de Estrada Velha do Aeroporto, onde era localizado o sítio das reuniões, portanto, ligação alguma com a alegoria bíblica de Adão e Eva.

No final de 1979 os onze amigos passaram no vestibular para seus determinados cursos. Porém para selar a amizade e não deixa-la esvaecer surgiu a idéa de formar um bloco de carnaval, em 11 de fevereiro de 1980,....

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Zé Ramalho: Voz e violão... 40 anos de música



Bom dia Caros Leitores!

Chegou a nossa sexta feira! 

Ontem a noite, um dos grande da nossa mpb lançou um box contendo 3 cds e 1 dvds, ambos inéditos. Esse cara, pra mim é um músico genial e completo. O cidadão está comemorando seus 40 anos de música! Nada mais justo de homenagear este paraibano de Brejo da Cruz pela segunda vez neste espaço. A primeira publicação sobre o nosso Avohai, você encontra aqui...

Desta forma, mais uma vez compilo alguns matéria sobre Zé Ramalho e publico aqui.

Espero que gostem! Salve Salve Zé Ramalho e suas músicas!

Rio de Janeiro, 22 de Julho de 2016.
Hélio Santa Rosa Costa Silva


ctv-bbc-zezinho


Cabeludos do Futuro

  • JAAAAAACKSON!
    O grito acabou com o sossego naquela casa de Olaria, zona norte do Rio de Janeiro.
- Ô Jackson, tem uns cabeludos lá fora querendo falar com

terça-feira, 12 de julho de 2016

Mestre Vitalino


Bom dia caros Leitores!


Ouvindo o cd de Petrúcio Amorim de 2004, Deus do Barro, me veio a inspiração para pesquisar um pouco sobre o Mestre Vitalino. Artista citado em todo cancioneiro nordestino, é considerado por muitos, como um dos maiores artesãos do Brasil. Percebam que muitas de suas esculturas, nós as conhecemos, e no entanto, se quer sabemos que as mesmas foram feitas pelas suas mãos... Aquele trio pé de serra, Os noivos em cima de um cavalo, o dentista arrancando o dente com cordão, a família de nordestino em retirada, o vaqueiro derrubando o gado na vaquejada são todas obras inicialmente criadas e imortalizadas pelas mãos do Mestre Vitalino. Nesse sentido, procurei algumas matérias que nos ensinam algo sobre este grande Artista Nordestino e Brasileiro.

Tenham todos uma boa leitura! 
Rio de janeiro, 12 de Julho de 2016
Hélio Santa Rosa Costa Silva
Mestre Vitalino, Caruaru, Pernambuco, 1947. Foto: PIERRE VERGER






Mestre Vitalino
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Quando pequeno, [criança], suas obras eram feitas de barro, que sobravam de sua mãe.
Mestre Vitalino
Nascimento10 de julho de 1909
Nacionalidade brasileiro(a)
Ocupaçãoartesão ceramista
Vitalino Pereira dos Santos, conhecido como Mestre Vitalino (Caruaru10 de julho de 1909  — Caruaru20 de janeiro de 1963), foi um artesão.
Filho de lavrador e de uma artesã que fazia panelas de barro. Aprendeu o ofício com a mãe e usou os restos do barro para fazer pequenos animais e vende-los na feira.
retratar em seus bonecos de barro a cultura e o folclore do povo nordestino, especialmente do interior de Pernambuco e da tradução do modo de vida dos sertanejos[1] . Esta retratação ficou conhecida entre especialistas como arte figurativa.
O artista passou a desenvolver a modelagem no barro a partir dos oito anos de idade, os bonecos que criava eram seus brinquedos.[2] As obras de Vitalino ganharam reconhecimento na região Sudeste a partir de 1947, quando o artista plástico Augusto Rodrigues o convidou para a Exposição de Cerâmica Popular Pernambucana, realizada no Rio de Janeiro. Em janeiro de 1949, a fama foi ampliada com exposição no Masp[1] . Em 1955, integrou em NeuchâtelSuíça, a exposição Arte Primitiva e Moderna Brasileiras.[3]
O reconhecimento do artista foi ampliado após a sua morte....

terça-feira, 28 de junho de 2016

Elino Julião: O Potiguar de Timbaúba dos Batista


Bom tarde Caros Leitores! 

Nosso espaço hoje homenageia um grande artista Potiguar. O seridoense Elino Julião! Autor de músicas como Rabo do Jumento, Forró na Coréia, Cara de durão, dentre outras, Este Norte-Riograndense iniciou sua trajetória musical muito cedo. Seu pai, Sebastião Pequeno era tocador de violão e concertina, então, Elino logo cedo já animava as festas de Sant'ana, na Cidade de Caicó no seridó potiguar. Como vocês verão nos textos a seguir, todos eles com a devida fonte citada, Elino teve uma grande do seu ídolo musical, o paraibano Jackson do Pandeiro.

Tenham todos uma boa leitura, e boa semana!
Viva o são joão!
Viva nosso Nordeste!



Rio de Janeiro, 27 de Junho de 2016.
Hélio Santa Rosa Costa Silva.


Nascido em 1936, Elino Julião tinha crescido no sítio Toco, zona rural de Timbaúba dos Batistas, a quase 30 quilômetros de Caicó, a maior cidade da região do seridó. Além de cuidar dos bois e vacas de Hermógenes Batista de Araújo, dono de propriedade, Elino tinha outra atribuição: botador água. Rumava até um açude próximo e, com latas usadas para armazenar querosene, enchia os barris de ferro para depois carregá-los na canga do jumento preferido – e lá ia Elino tangendo o animal, assoviando e batucando na lata as músicas que tocavam na rádio Rural ou no toca discos de Luttgardes, esposa do proprietário da fazenda. Quando tinha que ir a bodega comprar fosfóros, voltava cantando os sambas e xotes que aprendera. Entre juremas e cantigueiras, desfiava o repertório de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Manezinho Araújo. Atravessa a caatinga a pé para ir jogar futebol na cidade. Sabedor do estrago que causavam os espinhos dos xiquexiques, preferia enfrentá-los de peito nu.

"O couro é mais fácil de sarar, a camisa dá mais trabalho por que tem que pagar uma pessoa para remendar".

Também ia a Caicó para ouvir as músicas entoadas na festa de Sant'ana. Aprendeu a cantá-las e agradou. De lá, passou a animar os bailes de Caicó Esporte Clube. Ainda adolescente, seguiu para Natal, onde soltava a voz no auditório da Rádio Poti. Participava com regularidade de programas como Domingo Alegre, de Genar Wanderley. Agradou tanto que, no dia de uma das apresentações, o alvoroço do público com Elino despertou a curiosidade da atração principal, Jackson do Pandeiro. Quando terminou de cantar, foi chamado no camarim pelo paraibano:

- Gostei de você, sujeito! Mas rapaz, que beleza! Que maravilha! Você tá bom que tá danado. Quer trabalhar mais eu?
- Quero sim.

- E alguma coisa lhe impede? Daqui vou seguir para o Ceará...


Elino, então prestes a completar 18 anos, lembrou que teria de prestar o serviço militar obrigatório, Jackson manteve o convite:
- É um ano só, não é? Então faça o seguinte:

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Dia de São João e nossa festa de Padroeira, São Paulo Apóstolo em Pedro Avelino RN


Bom dia Caros Leitores!

O dia de hoje possui um sabor especial para o povo nordestino. Véspera do dia em que se comemora dia de São João, é dia de acender a fogueira e sair para dançar quadrilha e um bom forró!! 

Desta maneira, nada mais justo do que começar este dia relembrando e assim escrevendo alguns linhas sobre o mesmo.

Recordo deste dia de forma muito boa e nostálgica... Pra quem nasceu no interior do estado, sabe bem do que estou falando. Nessa época, meu pai sempre comprava bombas e traques, e assim, eu juntamente com meus irmãos, quando crianças, passávamos a noite na fogueira da nossa casa soltando traques, bombas, cobrinhas e mijão... era bem divertido!! Eita tempo bom!! Havia todo um ritual, saímos com papai para comprar essas bombinhas e traques na casa de Seu Daniel ali na Rua da Igreja. E depois voltávamos para casa, isso na Rua João Luiz da Câmara onde nossos pais ainda moram. Quando a noite chegava, era um festa só, todos ao redor da fogueira soltando nossos traques e bombas!! rsrsrsrs...

Essa época é muito festiva na nossa cidade, Pedro Avelino RN. Durante grande parte do mês de Junho se comemora o padroeiro da cidade, São Paulo Apóstolo 




Sendo assim, praticamente quase que todo o dia há um evento na nossa cidade. A Igreja costuma fazer missas quase todos os dias, onde em cada dia é homenageado um grupo de